sexta-feira, 23 de setembro de 2011

As cores das flores

Recebi este vídeo de uma amiga especial e compartilho com vocês...
Uma primavera abençoada!


quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O que seu filho faz depois da escola?

Atividades extra-curriculares auxiliam no aprendizado e no desenvolvimento intra e interpessoal.

É claro que não se estamos falando aqui de criança com agenda de adulto, em que o brincar, o "dormir até mais tarde" são, geralmente, desfavorecidos. E sim, de possibilidades além dos muros da escola, onde a criatividade, a convivência, o desenvolvimento de talentos e a construções de novas relações são oportunizadas sob uma ótica diferenciada. 

Clique no link abaixo, 
convide seu filho(a) para responder as perguntas e descubra o que mais combina com ele(a)! 
Aproveite a oportunidade para surpreender-se!!!


PRIMAVERA - Cecília Meireles


A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.  

Texto extraído do livro  Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1
Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.


I Fórum de Psicopedagogia de Ribeirão Preto







Caso não esteja visualizando este email corretamente, clique aqui.

abpp
abpp
abpp
abpp
abpp
abpp
abpp
abpp

Associação Brasileira de Psicopedagogia
Rua Teodoro Sampaio, 417 - conj.: 11 - Pinheiros - CEP: 05405-000
São Paulo - SP Fone/Fax: (11) 3085-7567/ 3085-2716


terça-feira, 20 de setembro de 2011

EDUCASUL - 24, 25 e 26/10 - Floripa/SC.



Tema: Professor@s em ação – Conhecimentos e Saberes em Foco

Programação dirigida a professores, educadores e gestores pedagógicos de escolas de educação infantil e ensino fundamental com conteúdo específico e os mais renomados conferencistas e palestrantes do segmento. É uma excelente oportunidade de atualização profissional e qualificação do ensino em sua escola.
Além das conferências, palestras, mesas-redondas e mini-cursos, o Educasul oportuniza a troca de conhecimento e experiências entres os profissionais da Educação através da apresentação de trabalhos, na forma oral e poster. 


Trabalhos
Confira o resultado da avaliação dos trabalhos enviados para o EDUCASUL 2011.
Clique aqui


Eu estarei lá!!!
Autismo e esquizofrenia: compreendendo diferentes condiçõesOralRosanita Moschini VargasCarlo Schmidt Aprovad

VISITE O SITE DO EVENTO:
 http://www.educasul.com.br/2011/index.html

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Livro: TRANSTORNOS E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: entendendo melhor os alunos com necessidades educativas especiais

O livro está no forno da WAK Editora!
Será lançado na Bienal do livro de Salvador/BA (http://www.bienaldolivrodabahia.com.br/)

Faço parte desta obra organizada pela reconhecida Psicopedagoga Simaia Sampaio, é de minha autoria o artigo sobre Autismo e síndrome de Asperger.

Em breve estará à venda!!!

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

ENCONTRO ESTADUAL DE PSICOPEDAGOGOS DO RS - ABPp/RS


XX ENCONTRO ESTADUAL DE PSICOPEDAGOGOS DO RS
&
VII MOSTRA DE TRABALHOS CIENTÍFICOS EM PSICOPEDAGOGIA


PSICOPEDAGOGIA: APRENDER COM AS RELAÇÕES FAMILIARES


12 E 13 novembro de 2011
Ritter Hotéis - Porto Alegre/RS

INSCRIÇÕES PELO SITE www.abpprs.com.br EM 10/09/2011
GARANTA SUA INSCRIÇÃO!


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Psicopedagogia... dica de leitura

Vivenciar Psicopedagogia é um estado de ser e estar sempre em formação, projeção e em processo de permanente criação. Criação de sentidos para nossa própria trajetória enquanto aprendentes e ensinantes, enquanto seres viventes na complexa gama de relações que estabelecemos com o nosso tempo e espaço humano. Todas as nossas ações e produções, por serem humanas, estão sempre em processo de permanente abertura, colocadas em um prisma próprio para novas interpretações e busca de sentidos e estão situadas em um movimento incessante de desconstrução e de re-construção. Dito isso de uma outra forma, afirmarmos que, no nosso tempo de reconfiguração paradigmática, os conceitos estão constantemente sendo revistos e ganhando novos significados. Com a Psicopedagogia, não podia ser diferente, visto que o pensar reflexivo sobre esta área do conhecimento se constitui em uma das importantes tarefas a ser desempenhada por quem a tem como campo de ação, profissionalidade, dedicação e estudo.

O objetivo desse livro é organizar um conjunto de idéias para colaborar para a construção de uma visão ampla sobre o que vem a ser a Psicopedagogia e seus desdobramentos conceituais, propondo-se a servir como um elemento propulsor de novas buscas e conhecimentos.
Escrito de forma clara e objetiva, o autor busca, com esse livro, a formação de uma unidade do saber, onde uma visão de conjunto sobre a Psicopedagogia se constitua como articulação em movimento, uma oportunidade aberta de perceber o quanto o fazer psicopedagógico carrega de inquietação, entusiasmo, busca, construção e reconstrução de caminhos.
Uma visão sobre Psicopedagogia como uma práxis extremamente plural, dinâmica, interdisciplinar e carregada de subjetividade. Uma obra voltada para a compreensão dos processos de ensinagem contemporâneos, seus limites e potencialidades, suas possibilidades.
 
Fonte: http://www.wakeditora.com.br/mostrar_livro/mostrar_livro.php?livro=4759

Dislexia


Por Simaia Sampaio

O que é?
 
       A dislexia é um distúrbio na leitura afetando a escrita, normalmente detectado a partir da alfabetização, período em que a criança inicia o processo de leitura de textos. Seu problema torna-se bastante evidente quando tenta soletrar letras com bastante dificuldade e sem sucesso.
Porém se a criança estiver diante de pais ou professores especialistas a dislexia poderá ser detectada mais precocemente, pois a criança desde pequena já apresenta algumas características que denunciam suas dificuldades, tais como:
 
-   - Demora em aprender a segurar a colher para comer sozinho, a fazer laço no cadarço do sapato, pegar e chutar bola.
-   - Atraso na locomoção.
-   - Atraso na aquisição da linguagem.
-   - Dificuldade na aprendizagem das letras.
 
A criança dislexa possui inteligência normal ou muitas vezes acima da média. Sua dificuldade consiste em não conseguir identificar símbolos gráficos (letras e/ou números) tendo como conseqüência disso a dificuldade na leitura e escrita.
A dislexia normalmente é hereditária. Estudos mostram que dislexos possuem pelo menos um familiar próximo com dificuldade na aprendizagem da leitura e escrita.
O distúrbio envolve percepção, memória e análise visual. A área do cérebro responsável por estas funções envolve a região do lobo occipital e parietal.
 
Características:
 
- Confusão de letras, sílabas ou palavras que se parecem graficamente: a-o, e-c, f-t, m-n, v-u.
- Inversão de letras com grafia similar: b/p, d/p, d/q, b/q, b/d, n/u, a/e.
- Inversões de sílabas: em/me, sol/los, las/sal, par/pra.
- Adições ou omissões de sons: casa Lê casaco, prato lê pato.
- Ao ler pula linha ou volta para a anterior.
- Soletração defeituosa: lê palavra por palavra, sílaba por sílaba, ou reconhece letras isoladamente sem poder ler.
- Leitura lenta para a idade.
- Ao ler, movem os lábios murmurando.
- Freqüentemente não conseguem orientar-se no espaço sendo incapazes de distinguir direita de esquerda. Isso traz dificuldades para se orientarem com mapas, globos e o próprio ambiente.
- Usa dedos para contar.
- Possui dificuldades em lembrar se seqüências: letras do alfabeto, dias da semana, meses do ano, lê as horas.
- Não consegue lembrar-se de fatos passados como horários, datas, diário escolar.
- Alguns possuem dificuldades de lembrar objetos, nomes, sons, palavras ou mesmo letras.
- Muitos conseguem copiar, mas na escrita espontânea como ditado e ou redações mostra severas complicações.
- Afeta mais meninos que meninas.
 
 
O dislexo geralmente demonstra insegurança e baixa auto-estima, sentindo-se triste e culpado. Muitos se recusam a realizar atividades com medo de mostrar os erros e repetir o fracasso. Com isto criam um vínculo negativo com a aprendizagem, podendo apresentar atitude agressiva com professores e colegas.
 
     Antes de atribuir a dificuldade de leitura à dislexia alguns fatores deverão ser descartados, tais como:
 
- imaturidade para aprendizagem;
- problemas emocionais;
- métodos defeituosos de aprendizagem;
- ausência de cultura;
- incapacidade geral para aprender.
 
Tratamento e orientações:
 
- O tratamento deve ser realizado por um especialista ou alguém que tenha noções de ajuda ao dislexo. Deve ser individual e freqüente.
Durante o tratamento deve-se usar material estimulante e interessante. - Ao usar jogos e brinquedos empregar preferencialmente os que contenham letras e palavras.
- Reforçar a aprendizagem visual com o uso de letras em alto relevo, com diferentes texturas e cores. É interessante que ele percorra o contorno das letras com os dedos para que aprenda a diferenciar a forma da letra.
- Deve-se iniciar por leituras muito simples com livros atrativos, aumentando gradativamente conforme seu ritmo.
- Não exigir que faça avaliação de outra língua. Deve-se dar mais importância na superação de sua dificuldade do que na aprendizagem de outra língua.
- O tratamento psicológico não é recomendado a não ser nos casos de graves complicações emocionais.
- Substituir o ensino através do método global (já que não consegue perceber o todo), por um sistema mais fonético.
- Não estimule a competição com colegas nem exija que ele responda no mesmo tempo que os demais.
- Oriente o aluno para que escreva em linhas alternadas, para que tanto ele quanto o professor possa entender o que escreveu e poder corrigi-los.
- Quando a criança não estiver disposta a fazer a lição em um dia ou outro não a force. Procure outras alternativas mais atrativas para que ele se sinta estimulado.
- Nunca critique negativamente seus erros. Procure mostrar onde errou, porque errou e como evitá-los. Mas atenção: não exagere nas inúmeras correções, isso pode desmotivá-lo. Procure mostrar os erros mais relevantes.
- Peça que os pais releiam o diário de classe sem criticá-los por não conseguir fazê-lo, pois a criança pode esquecer o que foi pedido e/ou não conseguir ler as instruções.
 
Bibliografia:
 
CONDEMARÍN, Mabel, BLOMQUIST, Marlys. (1989). Dislexia; manual de leitura corretiva. 3ª ed. Tradução de Ana Maria Netto Machado. Porto Alegre: Artes Médicas.
ELLIS, Andrew W. (1995). Leitura, escrita e dislexia: uma análise cognitiva. 2 ed. Tradução de Dayse Batista. Porto Alegre: Artes Médicas.
   JOSÉ, Elisabete da Assunção José & COELHO, Maria Teresa. Problemas de Aprendizagem. 12ª    edição, São Paulo: Ática.